Um hábito bastante comum entre os jovens e que pode causar sérios riscos à saúde. O uso prolongado do fone de ouvido e em volume alto é um fator relacionado a problemas na audição desenvolvidos precocemente.

A Associação de Pesquisa Interdisciplinar e Divulgação do Zumbido realizou um levantamento com 170 jovens, entre 11 e 17 anos, e constatou a presença de zumbido nos ouvidos de cerca de 55% dos entrevistados por conta de som alto. 50% do grupo tiveram zumbido depois de usar os fones por muito tempo.

O médico otorrinolaringologista, Daniel Nunes, alerta que o público mais jovem está perdendo a capacidade auditiva por causa do uso irregular dos fones.

“Quanto mais alto, menos tempo deve ficar com o fone. Se estiver a 85 decibéis, é possível ficar 8 horas com o fone. Com 100 decibéis o tempo cai para uma hora. Já com 115 decibéis, o limite são apenas 7 minutos. Estamos percebendo que os jovens estão perdendo audição e esse problema pode ser irreversível”, alerta o médico.

Volume alto

Segundo o Conselho Federal de Fonoaudiologia (CFFa), já houve uma proposta de projeto de lei no Congresso Nacional para que esses equipamentos tenham controle máximo de volume, mas não foi aprovado. Enquanto isso, a recomendação é diminuir o volume do fone e o tempo de uso.

“Existe um sério risco de perda auditiva, principalmente as pessoas que têm exposição a ruídos excessivamente. A recomendação é não exagerar com o uso do equipamento sonoro e manter em volume baixo”, destaca Daniel.

Ainda de acordo com uma pesquisa da Sociedade Brasileira de Otologia (SOB), de 30 a 35% dos casos de perda auditiva ocorrem por consequência à exposição rotineira ao ruído que causa surdez parcial.

Conforme destacado no programa “Bem Estar”, da Rede Globo, os fones de ouvidos devem ser usados com o volume até a metade para evitar problemas à audição. Outras orientações são nunca ouvir o som tão alto a ponto de não ouvir o que está à sua volta, não dormir com o fone no ouvido e nem que a pessoa está ao lado consiga também ouvir o som do fone.

Ensinar as crianças

Com o avanço da tecnologia, o acesso a equipamentos eletrônicos ficou mais fácil. Por isso, a orientação sobre o uso correto do fone de ouvido deve ser ensinada desde cedo.

“No caso da criança, os pais ou responsáveis têm que estar atentos aos fatores de risco, desde o nascimento e ao desenvolvimento da fala. As crianças precisam crescer sabendo desses perigos. Nada de ficar horas e horas com fones de ouvidos. O problema pode não aparecer no início, mas no futuro esse jovem pode apresentar dificuldade para escutar”, orienta o médico.

 

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.